quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Como o professor deve falar para o aluno entender?

       

Porque muitas vezes não entendemos o que uma pessoa está dizendo? Ou até presumimos o que ela vai dizer mesmo antes dele terminar de dizer?  Por que tendemos a  concluir com nossas palavras o que  deixou de ser especificado?
Muitas vezes, tem-se dificuldade em entender o que o outro está querendo dizer com o seu modelo de comunicação, já que tal modelo está sendo expresso em uma estrutura superficial. É o que se vê no exemplo a seguir:
Um fazendeiro do Texas, ao voltar para casa depois de um discurso político:
Esposa: “Quem fez o discurso?”
Fazendeiro: “O prefeito.”
Esposa: “Sobre o que ele falou.”
Fazendeiro: “Bem, ele não disse.” (CHUNG, 2003, p.218)

            Às vezes o emissor começa a fala do meio para o fim ou do fim para o começo,  presumindo que o receptor já conheça o assunto ou parte dele, quando, na verdade, este lhe é totalmente desconhecido, como, por exemplo: “Estou magoada com ela!” (Ela quem?/ Magoada como?), ou quando usa palavras passíveis de várias interpretações e  ainda quando a pessoa omite ou ignora alguns pedaços do assunto. É necessário recuperar esses dados da informação, principalmente se o vocabulário do emissor for muito restrito.
Para entender o conteúdo linguístico das palavras que o emissor está usando,  deve-se tomar o cuidado de recuperar a estrutura profunda da linguagem utilizada por ele, ou seja, o conteúdo da mensagem, a representação total do seu significado. Caso contrário, o receptor poderá interpretar conforme o seu próprio conteúdo linguístico que pode diferir da experiência do emissor.

Um estudante de aviação estava fazendo seu primeiro voo solo. Ao ligar o rádio para receber as instruções a torre de controle perguntou: “Você poderia nos dá sua altitude e posição?”
O piloto disse: “Tenho um 1,70m e estou sentado na frente.” (CHUNG, 2003, p.218)

Bandler e Grinder (1996), os criadores da programação neurolinguística, afirmam que a estrutura mais profunda são as mais completas representações linguísticas da experiência de uma pessoa. As palavras que usamos para descrever uma experiência não são a experiência. São apenas a melhor representação verbal que podemos apresentar. Assim, uma das medidas de sucesso para uma boa comunicação é como nossas palavras podem transmitir com cuidado e precisão o que queremos.
Quando estamos no papel de emissor, devemos tomar o cuidado de falar exatamente o que queremos dizer e usar palavras que sejam acessíveis ao conteúdo do receptor da mensagem a quem nos dirigimos e que, por meio dos seus cinco sentidos, seja possível que ele tenha uma representação próxima da nossa. É necessário saber então que as palavras obrigatoriamente devem ser muito bem escolhidas, e isso não significa usar muitas palavras, mas usar boas palavras, procurando sempre levar em consideração a representação interna do receptor.
Um bom exemplo é o caso ocorrido com um rapaz de 26 anos – hoje bem sucedido, mas que foi criado numa favela, – que reclamava da dificuldade encontrada na escola quando a professora se referia a frutas que não conhecia, tais como maçã, pera, pêssego.
Esse tipo de falha de comunicação ocorre muito em sala de aula, quando muitas vezes o professor fala levando em conta apenas sua representação de realidade.
Outro exemplo é o caso acontecido com o aluno que, diante de um problema em que tinha que calcular o perímetro do rodapé de uma sala, não conseguia resolvê-lo. O professor presumiu que a criança não tinha adquirido a noção de perímetro e começou a explicar novamente o assunto; porém o aluno perguntou: “Professor o que é rodapé?”.
Ou ainda um aluno do 5º ano fazendo uma prova em que o texto trazia a seguinte informação: “Uma velhinha que sabia andar de lambreta, passava todo dia pela frente da alfândega com um bruto saco atrás da lambreta. O pessoal da alfândega, tudo malandro velho, começou a desconfiar da velhinha.”. A questão relativa ao texto foi: “O que o autor quis dizer com tudo 'malandro velho'?”. Grande parte dos alunos não entendeu a questão, pois, além de desconhecimento desse tipo de gíria, havia a necessidade de compreender antes o significado da palavra “alfândega”.
A pessoa deve se comunicar com clareza se pretende ser capaz de dar informações aos outros, assim como uma pessoa também  deve se comunicar com clareza se deseja conseguir de outras as  informações de que necessita.
Bandler e Grinder (1977) desenvolveram um instrumento chamado metamodelo de linguagem, a magia transformacional dentro das pessoas. Usando as palavras,  é possível promover mudanças dentro delas, porque vão ser feitas as perguntas certas. Ao responder às perguntas, a própria resposta já faz a transformação. Então a arte de fazer boas perguntas é fundamental para a excelência da comunicação. Esta descoberta se deu na observação do trabalho de alguns terapeutas, entre eles, Frits Pearls, Milton Erickson e Virgínia Satir. Todos tinham uma grande capacidade de comunicação, precisão e eficiência na qualidade de obter respostas que mudavam o modelo da percepção dos seus clientes.
O metamodelo de linguagem é uma forma de comunicação que possibilita compreender o significado que determinada palavra tem para uma pessoa. Este modelo linguístico específico identifica se há distorção, processo mental pelo qual algo dentro da experiência interior é representado de maneira incorreta e limitadora; generalização, processo mental pelo qual uma experiência específica passa a representar toda uma classe de experiências;  ou eliminação,  processo mental através do qual excluímos, omitimos dados ou informações de uma experiência. De acordo com BANDLER e GRINDER (1996, p.70), “são as três características mais comum a todos os processos humanos de  modelagem”. 
Este modelo é usado para conseguir obter uma comunicação que consiste integralmente em uma frase bem estruturada, que intervém na comunicação linguística que se está usando para especificar o conteúdo. Utiliza-se este modelo para poder resgatar e construir uma representação interna a respeito do que se está falando e para que se tenha uma construção muito próxima da do emissor, ou seja, da sua representação interna. Por exemplo: Um aluno de 15 anos, cursando 1º ano do Ensino Médio, queixa-se de dificuldade de fazer amigos, refletindo numa dificuldade de aprender.

professora: O que exatamente está te incomodando?
aluno: Eu não tenho amigos na escola, ninguém gosta de mim. (ninguém indica generalização).
professora:  Ninguém??!!!Como você sabe disso?
aluno: Eu sei , eu vejo no jeito dos colegas. (uma generalização, em que o jovem do caso pressupõe saber o que o outro sente).
professora: como você sabe o que o outro pensa ou sente? Você poderia me explicar melhor.
aluno:  Bom, eu é que acho.
professora: Observe, pois, da mesma forma que você gosta das pessoas, eles gostam de você.

Magna O. Melo
Saiba mais no livro Neuroeducação para educadores.

Treine a lateralidade direita do seu cérebro!

Treine a lateralidade direita do  seu cérebro!
Fale somente as cores. O seu cérebro vai tentar ler as palavras. Desafie-o, usando sua lateralidade direita enquanto o cérebro tenta usar o lado esquerdo. ( esta brincadeira ajuda na concentração e na memória) divirta-se!